A relação entre OKRs e a ciência da definição de metas

blue electric sparks
Photo by Pixabay on Pexels.com

 

Por que você deve parar e ler esse post?

Nas últimas semanas escrevemos bastante sobre a relação entre a definição de metas e busca por performance pelas pessoas e times. Também analisamos quais são os chamados moderadores das metas. Com todo esse contexto formado, chegou a hora de analisar o papel dos OKRs nessa história. Por que será que tanta empresa usa essa metodologia para trabalhar a definição de suas metas? Durante a leitura você vai descobrir que os OKRs, principalmente a maneira sugerida pelo Google, seguem a risca as sugestões do mundo acadêmico. E aí, quando indústria e ciência se juntam, os resultados tendem a ser muito bons!

Primeiramente, o que são OKRs?

Essa pergunta já foi respondida tantas vezes na internet que provavelmente eu vou ser repetitivo aqui. A sigla OKR significa, em inglês, Objective Key Results. No Brasil, em geral, é misturado o inglês com português, ficando Objetivos e Key Results (Resultados Chave). Agora, o que são os Objetivos e os tais dos Key Results?

  1. O objetivo é onde você quer chegar. Exemplo: queremos que nosso blog seja referência sobre gestão no Brasil
  2. Key Results é o que você deve olhar para acompanhar o progresso em relação ao seu objetivo. A sugestão é que aqui seja algo numérico mesmo, até SMART. Um exemplo: ter 100 acessos únicos em um dia.

As empresas costumam criar OKRs de diversos prazos, alinhados com suas missões e visões e aí vão desdobrando isso pelos times.

Dando crédito para quem já vem falando sobre isso faz tempo, eu sugiro que você também dê uma olhada no que a Qulture.Rocks já escreveu.

Agora, quais são as sugestões do Google sobre essa metodologia?

O Google tem um site que reúne várias das práticas deles sobre gestão de pessoas. Dentro do site, eles dedicam toda uma sessão para falar sobre os OKRs. Logo na introdução, é trazida uma lista de pontos de atenção sobre a definição dos OKRs:

  1. Os objetivos devem ser ambiciosos e talvez até desconfortáveis.
  2. Os Key Results devem ser fáceis de medir. No Google, é utilizado uma escala de 0 até 1(podia ser de 1 a 10 também) para verificar o nível de sucesso dentro daquele Key Result.
  3. O ponto ideal em relação a medição do sucesso de um OKR deve ser em torno de 60% a 70%.  Se alguma pessoa/time atinge 100% do seu OKR constantemente, o ORK não está ambicioso o suficiente e a pessoa precisa pensar maior.

Existem outros itens na lista sugerida pelo Google, mas fiz questão de deixar aqui os que são mais intimamente ligados a Teoria da Definição de Metas.

Como os Objetivos dos OKRs se relacionam com a ciência?

Geração de comprometimento

Um dos moderadores mais importantes de qualquer meta é Comprometimento (Goal Commitment). Dentro dos OKRs é sugerido que a definição do Objetivo seja muito bem comunicada para todos os envolvidos. Quando alguém perguntar o motivo por trás daquele objetivo, é importante que a resposta seja muito boa. Vamos voltar ao exemplo do blog, com um exemplo de diálogo entre Luísa e eu.

Luísa: Alberto, nesse próximo trimestre temos o objetivo que nosso blog vire referência em gestão aqui no Brasil.
Alberto: É mesmo. Por que queremos isso?
Luísa: É necessário que as pessoas nos conheçam e nos vejam como entendedores do assunto.
Alberto: Por que?
Luísa: Acabamos de criar um curso sobre Gestão de Pessoas na Caelum. Para ele ter chance de ser atrativo, entendo que é necessário que o público nos veja como pessoas que realmente sabem do que estão falando e a Caelum como uma escola capacitada para ministrar tal treinamento.
Alberto: Ok, entendido.

A dinâmica dos 5 porquês pode ser uma boa. Você não precisa chegar nos 5, mas eu diria que é quase obrigatório chegar no segundo!

Metas desafiadoras e específicas

Olhando para o Ciclo da Alta Performance, a primeira coisa que vemos é Goal Core (ainda sem boa tradução). Ele traz dois itens fundamentais sobre a definição de metas que devem ser observados para aumentar as chances das pessoas terem uma performance considerada excelente.

  1. Especificidade
  2. Dificuldade

A Teoria de Definição das Metas indica que as metas (objetivos) devem ser específicas e super desafiadoras. Em relação a especificidade, na minha opinião, a meta em relação ao blog ainda precisa melhorar. Uma pergunta que poderia ter sido feita é: ser referência para quem? Quem é exatamente o nosso público? Já em relação a dificuldade, entendo que ela cumpriu. Ser referência é algo que parece muito animador!

E pode ver que o Google está super alinhado com as pesquisas da academia. Eles sugerem que os objetivos sejam ambiciosos e até desconfortáveis! Reforçam isso dizendo que se você atinge 100% dos seus objetivos regularmente, quer dizer que está colocando metas potencialmente fáceis demais.

É importante ressaltar que o Google é famoso por contratar pessoas já com um nível de habilidade bem acima da média. A ciência mostra que isso afeta positivamente a abertura da pessoa pela busca de objetivos que parecem até surreais. Por outro lado, se as pessoas e times ainda estão em fase de amadurecimento, uma meta considerada muito difícil pode ficar facilmente inalcançável e, quando chega nesse tipo de situação, as pesquisas mostram que a performance das pessoas envolvidas tendem a cair bastante.

Como os Key Results se relacionam com a ciência?

Um outro moderador super importante quando definimos as metas é o feedback contínuo. Como falamos no post anterior, onde um dos temas discutidos foi a importância do feedback de direcionamento, a ideia é fazer o acompanhamento do progresso do trabalho e ficar sempre de olho se estamos indo no caminho correto.

Parando para analisar, é justamente nesse cenário que os Key Results se encaixam. A ideia é que você trace resultados mensuráveis que, na medida que vão sendo alcançados, vão te deixando mais perto do objetivo final. Para melhorar ainda mais a visibilidade, você pode definir um planejamento em cima de cada Key Result, com estimativas de alcance em função do tempo, e ir analisando se tal resultado está perto de alcançado.

Olhando para o Key Result de ter 100 acessos únicos em um dia do blog, identificamos que ele está bem alinhado (supostamente) com o nosso objetivo de ser referência. Não posso dizer que sou um especialista em mídias sociais e tudo mais, mas pela minha experiência, 100 acessos únicos em um blog sobre um tema tão específico, já vai demonstrar uma certa autoridade. E se 100 acessos não significarem nada e eu tiver pisado na bola? Calma, deu errado, mas é esperado que sirva de aprendizado. Só lembrando mais uma dica do Google sobre o assunto:

  • Insucessos devem ser vistos como oportunidades para melhorar nos próximos OKRs

Chegou até aqui?

Primeiramente obrigado por ter descido até esse ponto da página! Se tiver lido o texto, espero que tenha gostado :). Discutimos a relação entre os OKRs e vários assuntos que já foram pesquisados pela academia. Como já citamos outras vezes aqui no blog, definição de metas e o impacto delas no trabalho das pessoas é algo que vem sendo estudado faz muito tempo. Como os OKRs também vêm sendo a metodologia praticada por várias empresas, achamos que faria sentido relacionar a metodologia com a ciência!

Momento propaganda

Gaste 30 segundos e siga eu e Luísa lá no twitter! Se tiver com mais 30, confere o nosso curso sobre Gestão de Pessoas que vai ser ministrado lá na Caelum, no fim de maio!

 

2 thoughts on “A relação entre OKRs e a ciência da definição de metas

Add yours

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

Up ↑

%d bloggers like this: